Falso Self

“Olho em volta e me reconstruo de novo, saindo e voltando de um lugar que eu não sei onde é. Páginas em branco e silêncio de mim. Linhas tortas que ainda não vêm. Uma hora elas chegam, eu sei, elas hão de chegar vivas traçando caminhos de arco-íris, daqueles que eu aprendi a tirar da cartola – como um dia me ensinou o poeta.”

[Silvia Badim]

Não sei ao certo em que instante acontece de nos misturarmos ao ambiente – a tal ponto de não mais ser possível definir.o que é de dentro e o que é de fora… Só sei que, quando abri os olhos, minha derme já estava mesclada ao chão, assumindo papéis que hoje não compreendo como esvaziar de mim…

Enquanto caminho despretensiosamente pelas ruas, lembro-me desse alguém que fui – até pouco tempo atrás… menos misturada… menos sujeita a obrigatoriedades… -, e de certa maneira busco os resquícios para que essa essência retorne até mim… um pouco isenta das contaminações que tanto me impugnam o íntimo no dia a dia.

Pouco a pouco, percebo que, quanto mais responsabilidades assumo no mundo lá fora, menos consigo ser eu aqui, onde – de fato – me importa… Visto máscaras, assumo riscos, engulo longos goles de saliva para, em seguida, respirar fundo, numa espécie de tentativa de… sobreviver!

E, em meio a esse estranho círculo vicioso, compro livros que jamais irei ler, assumo dívidas que nunca conseguirei pagar, coloco para dentro alimentos que meu estômago não comporta, assumo prazos que não serei capaz de cumprir, topo trabalhos que não tenho potencial para fazer, crio vínculos desnecessários, deixo de escrever as linhas que me fervem, abstenho-me dos meus desfrutes… da minha alegria, do meu descanso de corpo e alma.

Estabeleço, enfim, uma não-vida, fingindo que está tudo bem…

Eu não sei em que ponto deixei que as coisas se perdessem assim, mas confesso que quero muito… muito (me) encontrar!

Anúncios

3 comentários sobre “Falso Self

  1. Carmem Grinheiro disse:

    Boa noite,
    Que texto tão intenso, até chega a doer na pele essa dor/confusão que vai nessa alma e nesse corpo torturado.
    As coisas tomam rumos que, olhando para trás, nem conseguimos localizar o tempo em que aconteceu a pequena vírgula, que mudou tudo…
    bj amg

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s