Meio-mundo entre parênteses

“Não lembro em que momento percebi que viver deveria ser uma permanente reinvenção de nós mesmos — para não morrermos soterrados na poeira da banalidade embora pareça que ainda estamos vivos.”

[Lya Luft]

Xícara de café em repouso, pensamentos à solta, ideias de um universo particular em ebulição… Permaneço à esquina do abismo, a esmiuçar silêncios para atentar ao meu próprio sussurro, numa lentidão nunca antes reconhecida…

Em meu íntimo, ouço um punhado de vozes alheias, que não se furtam a gritar cada uma das imprecisões espelhadas nesse avesso que sou… delineiam perversidades e acabam por somar desconfortos.

Sempre me incomodaram os ruídos de dentro… mas tenho encontrado presenças barulhentas em excesso, cuja liberdade de apontar o dedo ao outro se mostra absolutamente invasiva.

Enquanto sorvo mais um gole do café, busco digerir as senhoras verdades de um mundo que não se quebra… Por ora, tira-me o fôlego a sensação de que algumas coisas apenas habitam outros cenários, assim como a ansiedade pelo momento seguinte, que ainda não me pertence…

Haverá de pertencer algum dia?

Anúncios

Um comentário sobre “Meio-mundo entre parênteses

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s