A ordem natural das coisas…

Sou o que, apesar de tão ilustres modos
De errar, não decifrou o labirinto
Singular e plural, árduo e distinto,
Do tempo, que é de um só e é de todos.
Sou o que é ninguém, o que não foi a espada
Na guerra. Um esquecimento, um eco, um nada.

| Jorge Luis Borges, in “A Rosa Profunda” |

Cada vez mais acredito que existe uma ordem natural para todas as coisas… Por mais que eu, como ser humano, busque intervir com meus truques baratos diante da vida – seja para apressar o ritmo do vento ou para suplicar que as horas se demorem um pouco mais –, tudo tem o seu instante próprio. A sua pausa peculiar. O seu conjunto de movimentos – aparentemente desarmônico, mas muito hábil – que dá origem a esta orquestra chamada universo.

Pode parecer pretensioso e hilário falar em destino – talvez até seja –, em uma era na qual o homem se mostra tão interventor dentro de seu espaço. Construímos e destruímos a nosso bel prazer, com a mesma simplicidade e uma frieza singular. Pensamo-nos donos de um ambiente que, muito provavelmente, apenas nos seja emprestado… Será que em algum instante paramos para nos dar conta disso?

É justamente devido a tais contradições que reflito sobre esse nosso famigerado desígnio… ou porvir, como quiserem chamar. Pouco importa o nome se não há a crença. A questão é que talvez cada escolha e ato levem a um ponto muito mais além do que alcança este nosso limitado olhar.

Eu pouco sei acerca do dia de amanhã: ele permanece como um grande ponto de interrogação frente à minha janela, que hoje se faz sombra… Mas, confesso: tenho buscado brigar menos com o destino. Aceitar os fatos como se desenham, pois não há nada mais óbvio e corriqueiro que a própria existência em si. É ela quem dita as regras.

Por enquanto, eu desejo estar aqui – em meu canto solitário e escasso de mundo – para tentar segui-las…

Anúncios

2 comentários sobre “A ordem natural das coisas…

  1. Lunna Guedes disse:

    As vezes, as coisas acontecem por acontecer somente, mas na maioria das vezes, são os nossos movimentos – certos ou errados – que provocam o dia seguinte e seu conjunto de movimentos. É uma espécie de reação em cadeia. Rs

    Bacio

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s