Fez-se abril…

Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo

Sophia de Mello Breyner Andresen, in ‘O Nome das Coisas’

Alguns meses se passaram sem que eu me pusesse a dissertar sobre seus dias… Assuntos outros tocaram minha derme com maior veemência e, talvez por isso, eu tenha me afastado um pouco da ideia de me basear no Chronos para oferecer certo ritmo a cada manhã…

Escapei das horas como criança que esconde o rosto atrás das próprias mãos, envolta em melindres e elocubrações. Guardei meu relógio a sete chaves, buscando fugir de um tempo que escorria de meus poros, em tom alarmante e abusivamente cego.

Eis que chegou abril, com suas datas promissoras e enunciados festivos… Como não poderia ser diferente, avistei o novo mês chegar sorrindo… Ele não habita minha alma como todos os outros: é um tempo tão meu!

Seus dias abraçaram serenamente o canto silencioso de meus lábios… sem exigências, sem condenações. Natural, sensível… resgatando-me de volta à ternura de cada premissa.

Fez-se abril… e já me sinto genuinamente em paz, outra vez!

Anúncios

Abril, o mês dos meses…

Vem vindo o abril tão belo em sua barca de ouro!
Um copo de cristal inventa as cores todas do arco-íris.
Eu procuro
As moedinhas de luz perdidas na grama dos teus olhos verdes,

E até onde, me diz,
Até onde irá dar essa veiazinha aqui?
(Abril é bom para estudar corpografia!)

[Mário Quintana, “Primeiro poema de abril”]

Quem já teve a oportunidade de trocar algumas palavras comigo, rapidamente ou de maneira mais prolongada, certamente deve saber o quanto minha alma se afina com o mês de abril.

Não se trata apenas da feliz coincidência de ser a época do meu aniversário, mas sim porque – ao que me parece – esses dias trazem consigo um ritmo próprio. Uma cadência ritmada de acontecimentos e surpresas. Cores que se transformam desde o instante da chegada do outono, que timidamente vai marcando aos poucos sua presença pelos arredores do cotidiano.

É certo que no Brasil as estações já deixaram de ser bem delimitadas há tempos – nem eu pretendia que assim o fossem. Mas o meu inconsciente, ao sentir que em algum lugar próximo “supostamente deveria ser outono…”, anima-se em festa e cantarola uma melodia de celebração, até que maio decida entrar em cena.

Abril é período de comemorar o aniversário de pessoas muito queridas – tanto da família como do círculo de amigos. Torna-se impossível passar ileso em meio a tantos aniversários, reuniões, eventos e encontros… Isso sem falar da comilança, que também é presença certeira em cada uma das festividades em questão… A gente tenta amenizar o prejuízo da balança ao caminhar ou se exercitar mais (risos)…

Este mês também se faz agitado em termos de trabalho, afinal, o Carnaval já foi embora e não há mais desculpas para a preguiça… Março ainda deixa sinais de certo esmorecimento, mas abril chega dando seu recado: é hora de produzir!

É também o período de idealizar novos projetos pessoais, retomar metas abandonadas e colocar o movimento em prática. As pessoas parecem estar mais amenas, também, em meio aos dias que se seguem… Relações fluem com intensidade branda, promovendo certa espécie de escuta ao outro – tão rara em nossa rotina…

Enfim… Talvez esta seja só a minha visão utópica acerca de um mês que me é muito querido. E tudo bem se for apenas isso. Em certos momentos, uma perspectiva pessoal acaba por energizar com maior motivação e incentivo do que aquele panorama concreto – e, por vezes, tão cruel – que nos é trazido à tona pela vida lá fora, todos os dias…

Precisamos do sonho para nos distanciar um pouco do cinza que a realidade insiste em nos fazer ver. E, afinal de contas, a gente merece mesmo este gosto de devaneio, de passeio no parque, de pipoca doce no meio da tarde, de caderno novinho em folha, de nuvem colorida que faz brotar a inspiração…

Abril chegou feito poesia sem dono no quintal aqui de casa… Que os versos sejam daquele que tiver a coragem de (trans)bordar seus desejos mais íntimos.